7 etapas fundamentais para uma Gestão do FAP de sucesso

O Fator Acidentário de Prevenção (FAP) é responsável por flexibilizar (aumentar ou reduzir) a contribuição do Seguro contra Acidentes de Trabalho, conforme o desempenho de uma empresa em relação aos acidentes de trabalho e doenças ocupacionais ocorridos num determinado período.

Neste sentido, o FAP afeta diretamente o equilíbrio financeiro das empresas e a segurança e saúde dos trabalhadores.

Desta forma, precisamos gerenciar este Fator para contribuir com a sustentabilidade das empresas e promover ambientes mais seguros e saudáveis aos trabalhadores.

Para isso, trago aqui algumas etapas fundamentais para uma Gestão do FAP de sucesso. Vamos lá?

1 – Análise mensal da atividade preponderante

É preciso analisar todo mês a atividade preponderante de cada estabelecimento da empresa. Com a finalidade de fazer o correto enquadramento, conforme CNAE e respectiva alíquota da atividade preponderante. Com isso, é preciso apurar e recolher o valor devido (nem a maior, nem a menor) à Previdência Social.

2 – Análise anual do FAP

É preciso estabelecer e implementar um processo para todo ano, após a divulgação do FAP, realizar um diagnóstico detalhado dos elementos que foram usados como insumo para o cálculo com a finalidade de identificar divergências e oportunidades de melhorias. Com isso, é possível realizar a contestação do FAP e elaborar um plano de ação.

3 – Gestão de afastamentos

É preciso estabelecer e implementar um processo para gerenciar os afastamentos, identificar e tratar precocemente os adoecimentos relacionados ao trabalho, bem como reduzir os benefícios acidentários.

4 – Gestão de atestados

É preciso estabelecer e implementar um processo para gestão dos atestados afim de identificar e tratar precocemente os adoecimentos relacionados ao trabalho, bem como reduzir os afastamentos.

5 – Monitoramento da saúde dos trabalhadores

É preciso estabelecer e implementar um processo para monitorar a saúde dos trabalhadores. Desta forma, é possível identificar e tratar precocemente os adoecimentos relacionados ao trabalho, bem como reduzir os atestados.

6 – Gestão de eventos adversos

É preciso estabelecer e implementar um processo para gestão dos eventos adversos. Assim, identificamos e tratamos as causas dos acidentes e evitamos reincidências.

7 – Gestão de riscos

É preciso estabelecer e implementar um processo para gerenciar os riscos ocupacionais com a finalidade de diminuir a probabilidade e/ou impacto dos acidentes de trabalho e das doenças ocupacionais.

Com isso, através da Gestão do FAP é possível:

  • Proporcionar às empresas serem mais lucrativas, competitivas e socialmente responsáveis.
  • Promover ambientes mais seguros e saudáveis aos trabalhadores.
  • Aos profissionais à frente deste processo de gestão, serem mais valorizados, reconhecidos e bem pagos pelas suas empresas ou clientes.

Se julgar que o conteúdo foi relevante, curta e compartilhe, para que essa informação chegue a mais profissionais. Ficou com alguma dúvida ou tem alguma consideração? Deixe seu comentário!

E se ainda não acompanha meu trabalho, te convido a conhecer meus conteúdos sobre GRO, PGR e Gestão do FAP 😉

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

Meteórico GRO e FAP

Chegou a hora de você ter seu trabalho de SST visto como um investimento e ser muito bem pago para isso ​

PCMSO da nova SST, com Dr Rafael calixto

Aprenda TUDO que você precisa saber da NR-7 na nova SST com exemplos práticos, ferramentas e estudos de caso, e também como a gestão do PCMSO se adequa ao PGR e eSocial!

Mentoria FAP Expert

chegou a hora de você Dominar de uma vez por todas A gestão do FAP e sua carreira como Profissional de sst.

Mentoria GRO e PGR

Torne-se um profissional de SST valorizado no mercado, cobiçado pelas empresas e melhor remunerado em