Como calcular o impacto econômico do Fator Acidentário de Prevenção (FAP)

Um dos objetivos do Fator Acidentário de Prevenção (FAP) é estimular a competitividade entre as empresas e proporcionar ambientes de trabalho seguros e saudáveis, por meio de incentivos econômicos. E estes incentivos ocorrem por meio da redução ou aumento da contribuição do Seguro contra Acidentes de Trabalho, recolhido mensalmente pelas empresas à Previdência Social.

E o recolhimento mensal deste Seguro, representado pela alíquota de contribuição previdenciária GIIL-RAT, apresenta grande repercussão econômica, já que possibilita a redução em até 50% ou o aumento em até 100% da contribuição das empresas.

Porém, mesmo com esta expressiva repercussão econômica, o FAP – responsável pela flexibilização da contribuição do seguro contra acidentes de trabalho, ainda não desperta o interesse de profissionais da área de SST e das empresas.

Nós já falamos sobre este assunto aqui no blog.  Confira o texto: “O FAP e seu impacto na folha salarial das empresas”. 

Desinteresse provado em números

Retornando, este desinteresse que falamos acima fica provado em números. Em 2020, estima-se que mais de 152 mil empresas contribuirão a mais do que poderiam, ou seja, estão no grupo “malus” com aumento em até 100% da alíquota de GIL-RAT.

No mesmo sentido, conforme pesquisa da Revista Proteção (2017), apenas 32,74% dos profissionais prevencionistas consideram a implementação do Fator Acidentário de Prevenção positiva.

Número bem abaixo do que o assunto representa, tanto em termos econômicos como de melhoria dos ambientes de trabalho.

E a visão das empresas não é diferente, pois conforme pesquisa realizada por Eduardo Teixeira em sua dissertação de mestrado (2019) com algumas empresas/unidades de determinado segmento, 44,4% delas desconhecem o impacto econômico relacionado ao FAP.

E este desinteresse e desconhecimento sobre o tema por profissionais prevencionistas e pelas empresas me geram um certo desconforto.

Pois como o FAP, assunto que pode beneficiar empresas e trabalhadores, tanto na redução das contribuições do Seguro Contra Acidentes de Trabalho em até 50%, como na promoção de ambientes de trabalho seguros e saudáveis não desperta o interessa das organizações e de prevencionistas?

O Fator Acidentário de Prevenção é um indicador que afeta diretamente o equilíbrio financeiro das empresas, e a segurança e saúde dos trabalhadores.

Por isso, precisamos pouco a pouco ir mudando este cenário e fazer com que o FAP seja uma ferramenta estratégica.

E como fazer isso?

O primeiro passo é conhecer o FAP da empresa e calcular o impacto econômico que ele está representando na folha salarial, pois conforme KAPLAN e NORTON (1997): “O que não é medido não é gerenciado”.

E também, há outra forma de uma empresa se conscientizar sobre determinado assunto se não pela “dor”? Dificilmente. É comum com que a velha expressão “sentir no bolso” cause impacto imediato nas direções das empresas.

Desta forma, segue abaixo um passo a passo para que você estime o impacto econômico que a sua empresa está tendo.

Assim, acredito que você terá mais interesse pelo assunto. Ou para reduzir o impacto econômico ou para manter a economia.

Passo a passo para calcular o impacto econômico do Fator Acidentário de Prevenção

1. Acesse o FapWEB, por meio deste link.

Ah, recomendo usar o navegador Firefox, já que é comum os demais apresentarem um erro de conexão.

Você será direcionado à tela abaixo:

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Aí basta inserir as seguintes informações:

a) CNPJ raiz

b) senha de acesso

c) campo de verificação de segurança

2. Após é só clicar em consultar e você será direcionado à tela abaixo.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

3. Então, é só acessar o informe do FAP, clicando em consulta, no canto superior esquerdo e você será direcionado à tela abaixo.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Aí é só consultar as seguintes informações:

a) ano de vigência 2019

b) selecionar um estabelecimento, caso sua empresa possua mais de um

c) verificar o valor do Fator Acidentário de Prevenção

4. Posterior à consulta destes dados, você precisará do valor da folha salarial mensal e o percentual da alíquota GIIL-RAT da sua empresa.

Quanto a folha salarial, basta solicitar à área de sua empresa responsável por esta informação, bem como a alíquota GIIL-RAT, que pode ser 1, 2 ou 3%, conforme a atividade preponderante de sua empresa.

Ah, e se você está em dúvidas quanto ao percentual adequado da alíquota GIIL-RAT que a sua empresa está ou deve estar informando, em breve publicarei um artigo específico sobre isso.

5. Com acesso às informações apresentadas acima, você poderá estimar o impacto econômico que a sua empresa está tendo, conforme planilha abaixo, que no caso da empresa com o FAP de 1,2361, o impacto econômico anual que ela está tendo é de aproximadamente 150 mil reais, ou seja, valor este com possibilidade real de redução.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

Meteórico GRO e FAP

Chegou a hora de você ter seu trabalho de SST visto como um investimento e ser muito bem pago para isso ​

PCMSO da nova SST, com Dr Rafael calixto

Aprenda TUDO que você precisa saber da NR-7 na nova SST com exemplos práticos, ferramentas e estudos de caso, e também como a gestão do PCMSO se adequa ao PGR e eSocial!

Mentoria FAP Expert

chegou a hora de você Dominar de uma vez por todas A gestão do FAP e sua carreira como Profissional de sst.

Mentoria GRO e PGR

Torne-se um profissional de SST valorizado no mercado, cobiçado pelas empresas e melhor remunerado em