ERGONOMIA 3 em 3: Três dimensões de análise em três fontes de dados

Ergonomia não é fácil nem difícil, apenas é diferente. Por quê?

Porque ela não é uma ciência exata. Ela carrega consigo um quê de subjetividade. Mas já chego lá.

Uma boa análise ergonômica leva em consideração três grandes dimensões. E dentro de uma dimensão, três fontes de informação. Explico!

As três dimensões são: gravidade e/ou severidade do problema, a exposição ao problema e as medidas de controle que a empresa oferece a este problema.

Em se tratando da análise da gravidade, especificamente, na ergonomia usamos três fontes de informação (consulta).

A primeira delas é a observação do avaliador. Neste caso, aquilo que você percebe. Um olhar treinado é fundamental.

A segunda delas é informação oriunda de ferramentas de análise (o que Rula diz sobre a postura em questão? O que NIOSH constata sobre o manuseio de carga? O que a ABNT define sobre aquele mobiliário?).

A última fonte de consulta vem de um elemento essencial, crucial, indispensável no processo de análise do risco ergonômico. Este elemento chama-se “trabalhador”. Não existe ergonomia sem entendê-los. Sem consultá-los. Sem dar voz a seus desconfortos.

E é aqui que mora a subjetividade. Quando estamos avaliando a interface entre o trabalho e o trabalhador, uma mesma atividade pode ser intensa para um e não para outro.

Voltando a três fontes de informações.

Imagina que você chega na empresa e percebe um ruído intenso naquele setor (avaliador). Conversa com as pessoas e há verbalizações que de fato aquele ruído causa desconforto. Por fim, você usa seu decibelímetro e constata que de fato o ruído não atende a norma. Pronto! Você tem um risco.

Agora você precisa ponderá-lo. Você precisa entender se a exposição a este risco é grande. Precisa entender também se a empresa oferece medidas de controle. Existem matrizes de risco para isso. Podemos tratar disso num próximo papo.

Resumindo: Nunca renuncie às três fontes de informação somadas às duas ponderações. Só assim você tem uma análise de risco ergonômico consistente.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

Meteórico GRO e FAP

Chegou a hora de você ter seu trabalho de SST visto como um investimento e ser muito bem pago para isso ​

PCMSO da nova SST, com Dr Rafael calixto

Aprenda TUDO que você precisa saber da NR-7 na nova SST com exemplos práticos, ferramentas e estudos de caso, e também como a gestão do PCMSO se adequa ao PGR e eSocial!

Mentoria FAP Expert

chegou a hora de você Dominar de uma vez por todas A gestão do FAP e sua carreira como Profissional de sst.

Mentoria GRO e PGR

Torne-se um profissional de SST valorizado no mercado, cobiçado pelas empresas e melhor remunerado em