Inventário de Riscos: Tudo que o TST precisa saber

Apesar de não trazer um modelo pronto de PGR, a NR-01 traz a estrutura do inventário de riscos, como podemos observar em seu item 1.5.7.3.2. Então, vamos ver o que a NR exige que o inventário possua, estruturalmente falando.

Caracterização dos processos e ambientes de trabalho

Aqui, deve-se caracterizar o que a empresa faz, como um todo (como são os processos), e os ambientes existentes na empresa. O que significa “caracterizar”? Meio óbvio, mas, significa dar as características, evidenciar, informar os processos de trabalho e seus ambientes, de modo que conste no inventário uma visão geral do que vem pela frente.

Caracterização das atividades

Assim como fizemos com os processos e os ambientes de trabalho, é necessário caracterizar as atividades que são realizadas dentro desses ambientes, o que os funcionários fazem, como são suas atividades de trabalho. Precisamos fazer esta caracterização justamente para identificarmos a existência de perigos e riscos.

Perigos e Riscos

Descrição de perigos e de possíveis lesões ou agravos à saúde dos trabalhadores, com a identificação das fontes ou circunstâncias, descrição de riscos gerados pelos perigos, com a indicação dos grupos de trabalhadores sujeitos a esses riscos, e a descrição das medidas de prevenção implementadas.

Análise preliminar

Dados da análise preliminar ou do monitoramento das exposições a agentes físicos, químicos e biológicos e os resultados da avaliação de ergonomia nos termos da NR-17. Ou seja, os agentes que podem ser quantificados devem ser informados nesta etapa, com sua devida análise quantitativa.

Matriz de Riscos

A NR-01 não usa o termo “matriz”, mas aqui é o momento onde indicamos sua elaboração. A norma pede avaliação dos riscos, incluindo sua classificação, e isso é possível mediante a matriz de riscos. Vamos obter a classificação do risco cruzando seus níveis de probabilidade e severidade.

Como comentei antes, a NR-01 não entrega um modelo pronto de PGR, até porque cada empresa vai ter suas particularidades e fica complicado ter um modelo pronto que atenda a todas. Mas ela dá as diretrizes, a estrutura que o documento deve ter, o que já é uma mão na roda na hora de fazer sua elaboração, concorda?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

Meteórico GRO e FAP

Chegou a hora de você ter seu trabalho de SST visto como um investimento e ser muito bem pago para isso ​

PCMSO da nova SST, com Dr Rafael calixto

Aprenda TUDO que você precisa saber da NR-7 na nova SST com exemplos práticos, ferramentas e estudos de caso, e também como a gestão do PCMSO se adequa ao PGR e eSocial!

Mentoria FAP Expert

chegou a hora de você Dominar de uma vez por todas A gestão do FAP e sua carreira como Profissional de sst.

Mentoria GRO e PGR

Torne-se um profissional de SST valorizado no mercado, cobiçado pelas empresas e melhor remunerado em