O que são os adicionais de insalubridade e periculosidade e quem tem direito a estes benefícios

Se você já faz parte do mundo  do trabalho, provavelmente já ouviu falar em insalubridade. E Talvez já conheça alguém que receba adicional de insalubridade ou periculosidade. Mas afinal, o que é insalubridade e periculosidade e quem tem direito a estes benefícios?

Os adicionais de insalubridade e periculosidade são um direito do trabalhador  previsto na constituição e regido pela CLT. O MTE, na Portaria n. 3214/1978, regulamentou a matéria de Saúde e Segurança do Trabalho por meio das Normas Regulamentadoras, as NRs 15 e 16.

A base legal

A Base legal vem do  o Art. 7º da Constrituição Federal de 1988: São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

XXIII – adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;

O trabalho perigoso e insalubre é regulamentado pela CLT, no

Art . 189 – Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.

Art . 190 – O Ministério do Trabalho aprovará o quadro das atividades e operações insalubres e adotará normas sobre os critérios de caracterização da insalubridade, os limites de tolerância aos agentes agressivos, meios de proteção e o tempo máximo de exposição do empregado a esses agentes.

Parágrafo único – As normas referidas neste artigo incluirão medidas de proteção do organismo do trabalhador nas operações que produzem aerodispersóides tóxicos, irritantes, alérgicos ou incômodos.

Art . 191– A eliminação ou a neutralização da insalubridade ocorrerá:

  • I – com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância;
  • II – com a utilização de equipamentos de proteção individual ao trabalhador, que diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância.
  • Parágrafo único – Caberá às Delegacias Regionais do Trabalho, comprovada a insalubridade, notificar as empresas, estipulando prazos para sua eliminação ou neutralização, na forma deste artigo.

Art . 192 – O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário-mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.

Art . 193 – São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.

  • 1º – O trabalho em condições de periculosidade assegura ao empregado um adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa.
  • 2º – O empregado poderá optar pelo adicional de insalubridade que porventura lhe seja devido.

Art . 194 – O direito do empregado ao adicional de insalubridade ou de periculosidade cessará com a eliminação do risco à sua saúde ou integridade física, nos termos desta Seção e das normas expedidas pelo Ministério do Trabalho.

Art . 195 – A caracterização e a classificação da insalubridade e da periculosidade, segundo as normas do Ministério do Trabalho, far-se-ão através de perícia a cargo de Médico do Trabalho ou Engenheiro do Trabalho, registrados no Ministério do Trabalho.

  • 1º – É facultado às empresas e aos sindicatos das categorias profissionais interessadas requererem ao Ministério do Trabalho a realização de perícia em estabelecimento ou setor deste, com o objetivo de caracterizar e classificar ou delimitar as atividades insalubres ou perigosas.
  • 2º – Argüida em juízo insalubridade ou periculosidade, seja por empregado, seja por Sindicato em favor de grupo de associado, o juiz designará perito habilitado na forma deste artigo, e, onde não houver, requisitará perícia ao órgão competente do Ministério do Trabalho.
  • 3º – O disposto nos parágrafos anteriores não prejudica a ação fiscalizadora do Ministério do Trabalho, nem a realização ex officio da perícia.

Art . 196 – Os efeitos pecuniários decorrentes do trabalho em condições de insalubridade ou periculosidade serão devidos a contar da data da inclusão da respectiva atividade nos quadros aprovados pelo Ministro do Trabalho, respeitadas as normas do artigo 11.

 

Insalubridade

A palavra “insalubre” vem do latim e significa tudo aquilo que origina doença. Por exemplo, um trabalhador exposto ao agente ruído em certa dose, pode adquirir perda auditiva pela resta da vida. E quando falamos em insalubridade, os agentes nocivos que podem dar direito ao benefício são:

  • Agentes Fisicos:  ruído, calor, radiações, frio, vibrações e umidade
  • Agentes Quimicos – poeira, gases e vapores, névoas e fumos
  • Agentes biológicos: micro-organismos, vírus e bactérias.

Isso quer dizer que um trabalhador exposto ao calor, acima dos limites de tolerância , tem direito a receber o adicional de insalubridade.

A Norma Regulamentadora 15 – NR-15, em seus 14 anexos, regulamenta as atividades e operações insalubres, as quais são desenvolvidas:

  • Acima dos limites de tolerância prevista nos anexos 1, 2, 3, 5, 11 e 12
  • Nas atividades descritas nos anexos 6, 13 e 14
  • Comprovadas através de inspeçao no local de trabalho nos anexos 7, 8, 9 e 10

Caracterização da Insalubridade

A NR-15 estabelece 3 critérios para caracterização de insalubridade:

  • Avaliação Quantitativa – estão descritos nos anexo 1,2,3,5,8,11 e 12 os limites de tolerância para os agentes nocivos. Nestes casos, o perito deverá medir a intensidade ou concentração do agente e compará-lo  com os limites de tolerância; quando passar dos limites a insalubridade é caracterizada.
  • Avaliação Qualitativa – Nos anexos 7, 9, 10 e 13 a insalubridade será comprovada através da análise do ambiente de trabalho, função e atividade do trabalhador. O perito deve utilizar critérios técnicos da Higiene Ocupacional levando-se em conta o tempo de exposição, a forma de contato e a proteção utilizada,.
  • Avaliação qualitativa dos riscos inerentes a atividade – nos anexos 6, 13  e 14 da NR-15, são listadas atividades insalubres, que por não haver formas de se eliminar ou neutralizar a insalubridade ela é inerente a atividade desenvolvida,. No caso do risco biologico em hospitais., por exemplo, o risco de contágio não pode ser totalmente eliminado com proteções coletivas ou individuais, e nesse caso a insalubridade é caracterizada qualitativamente.

Valores dos adicionais de insalubridade

O adicional de insalubridade é calculado sobre o salário mínimo da região nos percentuais de 40%, (grau máximo) 20% (grau médio) e 10% (grau ínimo). A base de cálculo pode ser ampliada quando for decidido em norma coletiva.

No entanto, não é permitida a percepção cumulativa dos percentuais. Caso o trabalhador estaja exposto a 2 ou mais agentes insalubres, ele somente receberá o percentual de maior valor.

Eliminação

A eliminação ou neutralização da insalubridade  ocorrerá com medidas administrativas ou proteções coletivas que garantam o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância definido pela NR-15, quando for aplicável, ou com a adoção de EPIs que comprovadamente diminuam a intensidade ou concentração do agente nocivo.

Periculosidade

As atividades ou operações consideradas periculosas que podem dar direito ao adicional de periculosidade estão previstas na Norma Regulamentadora nº 16, a NR-16.

Segundo esta NR, em seu item 16.3: “É responsabilidade do empregador a caracterização ou a descaracterização da periculosidade, mediante laudo técnico elaborado por Médico do Trabalho ou Engenheiro de Segurança do Trabalho, nos termos do artigo 195 da CLT.

O valor do adicional de periculosidade é 30% sobre o salário base da categoria, sem eventuais acréscimos. Vale ressaltar que o empregado pode optar pelo adicional de insalubridade que por ventura lhe é devido.

Caracterização

As atividades e operações devem ser executadas de maneira não-eventual para caracterizarem-se como periculosas, bem como precisam estar previstas nos anexos da NR-16 que conta com 5 anexos atualmente.

Não é possivel eliminar ou neutralizar  a periculosidade com a utilização de EPIs, já que o risco é inerente à atividade. Sendo assim, o pagamento do adicional somente acabará com o fim da exposição ao risco.

Considerações Finais

Os valores limites de tolerância da NR-15 são de 1978 e foram baseados nas recomendação da ACGIH daquele época. E como se trata de uma norma um pouco antiga,  os limites de tolerância para diversos agentes agressivos está bem desatualizado.

Para a gestão da saúde e segurança do trabalhador, recomenda-se a utilização dos valores limites para agentes nocivos indicados por organizações internacionais como a ACGIH. Estas organizações realizam estudos mais frequentes e atualizam estes valores visando maior segurança para o trabalhador.

Ainda existe muita confusão a respeito da caracterização de insalubridade por análise qualitativa. Muitos peritos e juristas chegam a conclusões diversas sobre casos similares, causando um pouco de insegurança para todos os envolvidos.

Sendo assim, faz-se necessária a atualização da NR-15 e uma reflexão sobre o modo como é pensada a saúde e segurança do trabalho no Brasil.

Afinal, como ocorre nos dias de hoje, trocar saúde por dinheiro não parece fazer muito sentido.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

Meteórico GRO e FAP

Chegou a hora de você ter seu trabalho de SST visto como um investimento e ser muito bem pago para isso ​

PCMSO da nova SST, com Dr Rafael calixto

Aprenda TUDO que você precisa saber da NR-7 na nova SST com exemplos práticos, ferramentas e estudos de caso, e também como a gestão do PCMSO se adequa ao PGR e eSocial!

Mentoria FAP Expert

chegou a hora de você Dominar de uma vez por todas A gestão do FAP e sua carreira como Profissional de sst.

Mentoria GRO e PGR

Torne-se um profissional de SST valorizado no mercado, cobiçado pelas empresas e melhor remunerado em