Síndrome de Burnout se torna oficialmente doença do trabalho em 2022

A probabilidade de você ter ouvido falar sobre a Síndrome de Burnout desde que a gente escreveu o último artigo sobre ela aqui no blog (setembro de 2019) é grande. Isto porque subiu muito o número de trabalhadores que a desenvolvem no Brasil.

A partir de 1º de janeiro de 2022, a CID 11, como ela foi classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), será considerada uma doença do trabalho. A alteração aconteceu ainda em 2019, mas só entrará em vigor nesse ano.

O número de profissionais que sofrem da doença cresceu muito. Se pegarmos uma parcela que trabalhou demasiadamente no período de pandemia, os profissionais da saúde, cerca de 70% apresentam sintomas característicos da Síndrome de Burnout. Este número foi apresentado por uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Ok, mas com a Sídrome de Burnout virando oficialmente uma doença do trabalho, o que muda?

A Síndrome de Burnout, caracterizada como “estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso” dá aos trabalhadores um argumento a mais em pedidos de afastamento feitos ao INSS.

Esta nova posição da OMS irá reforçar a associação de empregos com ambientes tóxicos e os problemas de saúde mental desenvolvidos pelos colaboradores.

Mas como saber que estou com Síndrome de Burnout?

A Síndrome de Burnout envolve nervosismo, sofrimentos psicológicos e problemas físicos, como dor de barriga, cansaço excessivo e tonturas.

O estresse e a falta de vontade de sair da cama ou de casa, quando constantes, podem indicar o início da doença. 

Os principais sinais e sintomas que podem indicar a Síndrome de Burnout são:

 Cansaço excessivo, físico e mental.

Dor de cabeça frequente.

Alterações no apetite.

Insônia.

Dificuldades de concentração.

Sentimentos de fracasso e insegurança.

Negatividade constante.

Sentimentos de derrota e desesperança.

Sentimentos de incompetência.

Alterações repentinas de humor.

Isolamento.

Fadiga.

Pressão alta.

Dores musculares.

Problemas gastrointestinais.

Alteração nos batimentos cardíacos.

Qual é o tratamento para Síndrome de Burnout?

O tratamento da Síndrome de Burnout é feito basicamente com psicoterapia, mas também pode envolver medicamentos (antidepressivos e/ou ansiolíticos). Ele normalmente surte efeito entre um e três meses, mas pode perdurar por mais tempo, conforme cada caso.

Mudanças nas condições de trabalho e, principalmente, mudanças nos hábitos e estilos de vida precisam ser adotados para que ocorra uma melhora.

A atividade física regular e os exercícios de relaxamento devem ser rotineiros, para aliviar o estresse e controlar os sintomas da doença.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

Meteórico GRO e FAP

Chegou a hora de você ter seu trabalho de SST visto como um investimento e ser muito bem pago para isso ​

PCMSO da nova SST, com Dr Rafael calixto

Aprenda TUDO que você precisa saber da NR-7 na nova SST com exemplos práticos, ferramentas e estudos de caso, e também como a gestão do PCMSO se adequa ao PGR e eSocial!

Mentoria FAP Expert

chegou a hora de você Dominar de uma vez por todas A gestão do FAP e sua carreira como Profissional de sst.

Mentoria GRO e PGR

Torne-se um profissional de SST valorizado no mercado, cobiçado pelas empresas e melhor remunerado em